Casa Madreselva em Salinas

pt “Trata-se de uma residência familiar construída na cidade costeira de Salinas, Astúrias, num pequeno lote em forma de trapézio, localizado entre duas zonas residenciais diferentes, um complexo residencial e outra de residências unifamiliares. O projeto tenta harmonizar essas condições , seguindo as linhas de propriedade nas moradias na rua Madreselva, e também a liberação

Casa na Maia

pt “Este conjunto edificado situa-se no centro da cidade da Maia, teve origem numa casa de lavoura do inicio do século XX, outrora implantada numa propriedade agrícola de maiores dimensões. Absorvida pelo crescimento urbano da cidade da Maia, ao longo do tempo esta habitação sofreu várias alterações, em particular uma ampliação na década de 80 justaposta à fachada tardoz. Foram identificas duas

Reabilitação Casa J

pt “Este projeto resulta da intenção de reabilitar uma moradia unifamiliar, severamente afetada, ao nível dos interiores, por patologias resultantes de más opções construtivas. Para além da pretensão de corrigir as patologias existentes, pretendeu- se retificar as disfunções de organização espacial que apresentava. Deste modo, a ambição do projeto foi alterar a moradia para lhe

Casa GD

pt “Um dos maiores desafios desta reabilitação foram as dimensões reduzidas do lote e a envolvente consolidada, assim sendo, a relação entre escala e proporção foi desde o início um compromisso. Recorrendo a uma linguagem depurada com pormenores de contemporaneidade que resultam de uma reinterpretação da linguagem e das matérias aplicadas tradicionalmente na vila de

Casa MM

pt “Um volume branco com os seus limites exteriores oblíquos, definem os vãos da habitação nos dois pisos, e onde em um canto da casa, um envidraçado é direcionado para uma privilegiada vista. Os pisos da habitação são evidenciados nos diferentes alçados, através de planos que demarcam os dois níveis da habitação, cuja comunicação entre pisos, é feito  através

Edifício Multifamiliar Alegria

pt “O terreno de intervenção é uma parcela com 251,42 m2 onde originalmente se encontravam implantados dois edifícios, habitações unifamiliares, em avançado estado de degradação / ruína. A proposta assentou num projecto de alteração e ampliação dos edifícios e sua conversão em edifício multifamiliar, procurando manter e de certo modo, recuperar a identidade que os

Loureiro 59

pt “No Centro Histórico de Coimbra a “arquitetura assume-se com Identidade Própria” Inscrita como Património da Humanidade pela Unesco, a Alta de Coimbra evidência um “repositório vivo” de intervenções, não havendo dúvidas que esse “património construído” se torna o principal suporte de memórias que nos remete para a origem do Urbanismo. O número 59 da

Casa GR

pt “Inserida num lote de geometria irregular e rodeada por construções de escasso valor arquitectónico, esta moradia surge como uma consequência das suas condicionantes. Se por um lado não há a vontade de relacionar visualmente os espaços interiores da moradia com a envolvência imediata, por outro existe uma vontade incontrolável de a virar completamente para