pt

“No Centro Histórico de Coimbra a “arquitetura assume-se com Identidade Própria”

Inscrita como Património da Humanidade pela Unesco, a Alta de Coimbra evidência um “repositório vivo” de intervenções, não havendo dúvidas que esse “património construído” se torna o principal suporte de memórias que nos remete para a origem do Urbanismo.

O número 59 da Rua do Loureiro apresenta-se como uma reabilitação com características próprias que se teve em conta na preservação da sua identidade.

 “Conferir a uma habitação todo o esplendor e respeito que a mesma foi perdendo com  intervenções pouco cuidadas” foi o desafio da arquiteta Cláudia Ascenso na concepção do projecto.

Com o propósito de retirar o máximo proveito de um lote estreito e comprido libertou-se o saguão existente e reformulou-se o seu interior, onde as escadas ditaram as regras na compartimentação, e a luz o seu percurso.

A escolha do soalho e a cor branca, serviu de mote a toda uma conjugação de elementos que permitiu transformar um espaço claustrofóbico num espaço com luz e subtil nos pormenores.

A decoração concebida pela proprietária, com a colaboração do Arquitecto José Pedro Lima, conferiu aos espaços leveza e o reaproveitamento das madeiras como testemunhos de um passado, foram o elo de ligação entre arquitectura e a conceptualização do espaço.  “

texto. Arquiteta Cláudia Ascenso.

localização.Coimbra
ano. 2019
arquitetura.Cláudia Ascenso
interiores.José Pedro Lima
fotografia.Ivo Tavares Studio

en

“In the Historic Center of Coimbra,” architecture assumes itself with its own identity “

As a World Heritage Site by Unesco, Coimbra High, shows a “living repository” of interventions, there being no doubt that this “built heritage” becomes the main support of memories that brings us back to the origin of Urbanism.

The number 59 of Loureiro Street presents itself as a rehabilitation with its own characteristics that was taken into account in the preservation of its identity.

 “Bringing home all the splendor and respect that was lost with little care” was the challenge of the architect Cláudia Ascenso in the conception of the project.

In order to make the most of a long and narrow lot, the existing hall was liberated, and its interior was reformulated, where the stairs dictated the rules in the compartmentalisation and the light its course.

The choice of the floor and the color white, served as a mote to a whole combination of elements that allowed to transform a claustrophobic space into a space with light and subtle in the details.

The decoration conceived by the owner, with the collaboration of the architect José Pedro Lima, conferred light spaces and the reuse of wood as testimonies of a past, were the link between architecture and the conceptualization of space. “

text. Architect Cláudia Ascenso.

location.Coimbra
year. 2019
architecture:Cláudia Ascenso
interiors.José Pedro Lima
photography.Ivo Tavares Studio