pt
Edifício Fábrica das Devesas no Porto pelo atelier de Arquitectura Anarchlab.

“O prédio intervencionado faz parte de um conjunto de edifícios mandados construir pela Fábrica de Cerâmica das Devesas, no Porto, que funcionaram como depósito e mostruário dos vários produtos fabricados na época pela mesma empresa. Esse conjunto é formado por 3 prédios: um maior, concebido para escritório, depósito de produtos, loja, salão de exposição e mostruário, com uma fachada imponente voltada para a Rua José Falcão; o prédio que intervencionamos, que foi a oficina de mármores, mas que possuía também valência de habitação no piso superior; e ainda uma casa que pertenceu a Feliciano Rodrigues da Rocha, um dos três sócios da Fábrica das Devesas. A antiga oficina de mármores situa-se na Rua da Conceição, existindo um pátio comum a este edifício e ao do depósito, que funciona como uma rótula entre ambos, articulando as suas implantações para as duas ruas, Rua José Falcão e Rua da Conceição, perpendiculares entre si. Apesar de ser classificado como Monumento de Interesse Público, todo o interior da construção encontrava-se completamente demolido quando o projecto foi iniciado, restando apenas, da construção original, as fachadas e cobertura já em mau estado.

A transformação programática, inevitável, teve em conta o legado histórico e arquitectónico do edifício original que tinha resistido: as fachadas, principal e Nascente, foram reabilitadas integralmente sem qualquer alteração, ao passo que a fachada Sul, já descaracterizada, ganhou protagonismo no conjunto, com um novo esquema cromático e com a introdução de um óculo redondo que confere equilíbrio geométrico e retorna a comunicação com a envolvente. No interior, a essência do antigo armazém de pedras é mantida: após o percurso de subida, de morfologia semelhante ao original, somos recebidos por uma ampla e extensa zona comum, plena de luz natural, que revela o pé-direito característico e marcante do espaço existente, completamente imperceptível desde a rua. A estrutura que reforça todo a construção existente e a acrescentada, a cobertura renovada e o último piso, surge exposta, marcante, ajudando a evidenciar a métrica das entradas nos apartamentos, do percurso de subida ao piso superior e da modulação das grandes claraboias de vidro que permitem a entrada de luz natural. Existem agora 12 apartamentos no interior, desde a tipologia loft com mezanino até apartamentos T2, distribuídos por 2 pisos principais, mais um último de menor área, que constitui os mezaninos. Organizados no seu interior através da cuidada distribuição de volumes simples (armários, cozinhas, casas de banho) de aspecto monolítico, como os blocos de pedra que povoavam o armazém no fervilhar da actividade da antiga Fábrica de Cerâmica das Devesas, o espaço habitável torna-se assim o vazio resultante do diálogo entre estas massas construídas, simples, de tons neutros, como o cinza e o preto, sobre madeira de riga que constitui o plano onde repousam os grandes volumes maciços.”

text. Anarchlab.

localização.Porto
ano. 2020
arquitectura.Anarchlab
fotografia.Ivo Tavares Studio

en
Edifício Fábrica das Devesas at Porto by Anarchlab.

“The newly renovated building is part of a set of constructions ordered to be built by the company Fábrica de Cerâmica das Devesas, in Porto, which functioned as a warehouse and showcase for the various products manufactured at the time by the same company. This set consists of 3 buildings: a larger one, designed for an office, product warehouse, store, exhibition hall and showcase, with an imposing facade facing Rua José Falcão; the building we renovated, which was the marble workshop, but which also worked as a house on the top floor; and a house that belonged to Feliciano Rodrigues da Rocha, one of the three partners of Fábrica das Devesas. The old marble workshop is located at Rua da Conceição, with a common courtyard to this building and to the warehouse, which functions as a joint between both, articulating the façades for the two streets, Rua José Falcão and Rua da Conceição, perpendicular to each other. Despite being classified as a Monument of Public Interest, the entire interior of the building was completely demolished when the project was started, with only the façades and roofs (already in bad condition) from the original construction.

The inevitable programmatic transformation took into account the historical and architectural legacy of the original building that had resisted: the main and East façades were completely rehabilitated without any change, while the South façade, already very transformed at the time, gained prominence in the set, with a new color scheme and with the introduction of a round glass window that gives geometric balance to the whole set and reestablishes the communication with the surroundings. Inside, the essence of the old stone warehouse is maintained: after the uphill journey, with a similar morphology to the original, we are welcomed by a wide and extensive common area, full of natural light, which reveals the striking height of the internal space, completely imperceptible from the street. The structure that reinforces all the existing and added construction, the renovated roof and the top floor, is exposed in a very raw fashion, helping to show the metrics of the entrances to the apartments, the way up to the top floor and the modulation of the large glass skylights that let in natural light, at the same time keeping the industrial ambiance of the old building. There are now 12 apartments in the interior, from the loft type with mezzanine to two bedroom apartments, spread over 2 main floors, plus a last one with a smaller area, which constitutes the mezzanines of the lofts. Organized inside through the careful distribution of simple volumes (cabinets, kitchens, bathrooms) with a monolithic aspect, such as the stone blocks that populated the warehouse in the bustling activity of the old Ceramics Factory of Devesas, the habitable space appears as voids that result from the dialogue between these simple and solid built masses, with neutral tones, such as gray and black, over a riga wood floor that constitutes the plane where the great massive volumes rest upon.”

text. Anarchlab.

location.Porto
year. 2020
architecture.Anarchlab
photography.Ivo Tavares Studio